segunda-feira, 6 de julho de 2009

Tudo o que sou

não sei quanto tempo aguento mais

saber que vais

e já não voltas,

o meu maior medo

é o arrependimento

em tudo o que faço,

tenho receio e não tento

tenho medo de arriscar,

tenho tanto medo de falhar.

Vivo na ansiedade

de não fazer o que quero

mas de ter vontade;

É tão fácil mudar o destino

e isso assusta-me,

vivo este aperto no peito

sufoca-me sempre que me deito,

acorda-me sempre que amanhece

descontrola o meu controlo,

o meu coração arrefece

a minha alma não tem paz,

mas eu não sou capaz

de parar para me ouvir

de perceber o sentido,

de fazer com que possa vir

e voltar a dormir comigo,

falta-me atitude

de lutar pelo que desejo,

deixar que auto me ajude

de te procurar, de te dar um beijo

de te dizer tudo isto e muito mais...

diz-me que não vais...

diz-me que voltas.

Só te amo quando não te tenho

é tão estúpido, tão estranho,

sou assim

mas quero mudar isso em mim,

queria que lesses o que escrevo

mas se calhar não devo,

tenho medo que descubras o que sinto

e que saibas que te finto,

que fico em silêncio porque minto,

tenho medo que seja tarde demais

não quero acreditar que vais,

eu não vou...

sempre estive aqui,

a ganhar coragem 

para te dizer que gosto de ti.


Mariana Cruz

2009