terça-feira, 28 de setembro de 2010

Alguém disse que o amor era fodido?

O tecto desabou
Estou envolvida em ruínas
Não sei onde estou
Não sei para onde vou …
Aquele aperto no peito
A sensação de sufoco
Sempre que me deito …
Deixaste tão pouco
Deixaste – me vazia
Como um vaso sem flores
Fria
Como um quadro sem cores ,
Triste ,
Como um sorriso forçado.
Fazias parte dum lugar
Preenchias – me
Aprendi o que era amar
Aprendi a saber viver
A lutar
E a vencer
Não sei se quero sentir falta
Ou tentar mais uma vez ,
Não sei o que tu sentes
Não sei se me mentes
Não sei descrever o que sinto
Não sei se te minto
Não sei nada sobre amor ,
E é se for …
É?
Amo – te
Odeio – te
És uma psicose emocional
Que me faz mal
Mas eu gosto e quero mais ,
Quero chorar de felicidade
Explodir de ansiedade
De te tocar
De te olhar
De me fazeres brilhar .
Somos tão complicados
Doentes mas apaixonados,
Tenho saudades
De não escrever poesia
Andava ocupada
A transmitir – te alegria
A respirar o teu ar ,
O teu corpo …
Não vás embora ,
Pelo menos agora ,
Fica comigo
Em mim ,
Para sempre …
Até ao fim ,
Fica …