sábado, 9 de julho de 2011

Extravasar

Tenho-te em todas as noites
perco-te todas as manhãs
por mais que tente
fico cansada e doente.
tantas sombras e fantasmas
que me fazem tremer
tantos sinais e pressentimentos
que me fazem querer,
vivo a vida sem saber
sigo em frente sem perceber,
não dou importância, ignoro
mas quando estou mais fraca
penso, relembro e choro.
parece que nada tem sentido
parece que vou contra mim
e parece ainda mais
que isto está longe de ter fim.
é sempre o mesmo sonho
maquiavélico,fatalista
é tão real e derrotista
que já não sei se estou a dormir,
se estou acordada
ou se quero acordar e fugir.
não sei qual é a minha vida
nem quem sou eu de verdade,
será que é mesmo importante
ou é apenas saudade?
é sempre o mesmo pesadelo
brilhante e perfeito
é tão como eu quero
que o desejo sempre que me deito.
é estranho ser sempre assim
este sono dá cabo de mim,
quando mais durmo menos descanso
quanto mais vou em frente
menos avanço.
será que quero que isto acabe
ou que dure para sempre?
eu desejo, apesar de magoar
prefiro continuar a sonhar,
quero que reste a minha alma
e só o sonho me dá essa calma.